Já ficou claro que os dados, diferentemente dos produtos digitais ou intangíveis, têm uma data de validade que precisa ser respeitada. Um filme, uma música, um e-book nunca perderão sua validade. Mas os dados sim! Eles se aproximam mais de produtos perecíveis e podem causar efeitos colaterais indesejáveis quando utilizados fora da validade. A esse conceito damos o nome de Data Shelf-Life, que nada mais é que o tempo que leva para uma informação se tornar inútil para a empresa, com valor zero. O tema já foi abordado neste blog e em outros artigos.

Por exemplo, o número do telefone celular de uma pessoa ou seu endereço de e-mail têm uma data de validade. Imagine, em uma ação de marketing, uma empresa ligar para uma base inteira de celulares desatualizados. Além do fato de a empresa investir um alto valor em uma campanha fadada ao fracasso, sem qualquer possibilidade de retorno, ainda pode correr o risco de expor informações confidenciais de seus clientes a um amigo ou parente que agora esteja com aquela linha de celular. Nesses casos, os únicos resultados obtidos pela empresa seriam uma multa por violação de privacidade e constrangimento e um processo no escopo da LGPD.

Sabemos também que essa data de validade dos dados pode mudar de acordo com algumas variantes. O Shelf-Life de um dado depende não só da informação em si e de como a mesma está sendo armazenada, mas também de quem vai usar os dados, de para que os dados vão ser utilizados e ainda de como vão ser aplicados. Compreender essa fluidez é fundamental para garantir o bom uso da informação, por você e por sua empresa.

No entanto, o tempo de validade de um dado poderá ser estendido à medida em que este for sendo atualizados de novo e de novo, até que toda essa operação ou o custo de manutenção desse dado no sistema deixe de ser interessante para a empresa. É neste momento que os dados atingem sua Half-Life.

O termo Half-Life, ou “meia-vida”, foi inicialmente utilizado por cientistas que estudavam a quantidade de tempo que leva para pelo menos 50% de uma substância sofrer uma mudança extrema. O Data Half-Life, ou a meia-vida dos dados, é o tempo que leva para o custo associado à informação ser maior do que seu valor.

Sua avaliação é um pouco mais complexa, e por essa razão é importante que os dois conceitos fiquem bem claros e definidos.

 

Diferenças entre Data Shelf-Life e Data Half-Life

Para um melhor entendimento acerca dos dois conceitos, antes é preciso que fique bem clara a diferença entre valor e custo. O custo é o preço de compra, de fabricação e/ou de armazenagem de um produto. É o investimento que precisa ser feito para que um produto ou serviço esteja disponível para ser oferecido ao cliente. Já o valor é definido como o benefício que esse produto ou serviço representa a quem o adquire. No mundo dos negócios, o valor de um produto ou serviço aumenta ou diminui à medida em que este atende ou não às necessidades e desejos dos clientes, podendo ainda variar de acordo com a oferta, demanda ou a qualidade..

Com isso, podemos entender que, enquanto o Shelf-Life é um número que depende apenas de características internas da informação, o Half-Life leva em consideração não só essas características internas, mas também fatores externos que podem impactar os custos e seu cálculo. No Shelf-Life, a equação entre valor vs. custo chega a um resultado positivo, pois o valor agregado é superior ao seu custo. No Half-Life, não.

Independentemente do tempo desse dado, da data em que essa informação foi coletada, enquanto ela estiver dentro do Shelf-Life, ela vai continuar sendo um ativo interessante para a empresa e trazendo valor, sempre levando em conta o trabalho de revalidação constante. A listagem de telefones e de e-mails poderá continuar sendo armazenada e utilizada pela empresa. Mas, ao final da Half-Life daquele dado, sua revalidação deixa de valer a pena e a manutenção daquela informação passa a representar um prejuízo diário para a empresa. Isso sem falar nos custos mais indiretos, como o risco de um vazamento de dados e o potencial prejuízo que o vazamento desse dado pode trazer para a empresa. Por depender de fatores externos, o half-life é mais variável, podendo mudar ao longo do tempo.

Enquanto o Data Shelf-Life vai variar de acordo com o tipo de armazenamento, o objetivo e a forma como os dados serão usados, o Data Half-Life vai depender da categoria dos dados de negócios, sendo elas: tática, operacional ou estratégica.

Na categoria tática, as empresas utilizam dados para influenciar seus processos quase em tempo real. Como os dados são extremamente valiosos quando recebidos pela primeira vez e, em seguida, diminuem rapidamente de valor para a empresa, essa categoria tem a curva descendente mais acentuada de meia-vida dos dados. Esta categoria enfatiza o quão importante é para as empresas terem tecnologia que lhes permita agir o mais rápido possível com dados acionáveis.

Na categoria operacional, as decisões tomadas pelas empresas com base na análise dos dados podem durar de um dia a uma semana. Esta é uma categoria de nível médio com uma curva de meia-vida que diminui exponencialmente, porém, muito mais lentamente do que os dados de empresas na categoria “tática”.

Na categoria estratégica, as empresas utilizam os dados para planos e processos de longo prazo. O valor dos dados estratégicos é o mais distribuído, perdendo valor muito lentamente ao longo do tempo. A meia-vida de seus dados é um gráfico linear de pequena inclinação.

 

O que é importante…

É importante que empresas que baseiam suas decisões na análise de dados fiquem atentas a esses dois conceitos para evitar problemas. O desafio será sempre buscar novas formas de monetizar os dados, e quando falamos em monetização, não estamos necessariamente nos referindo à comercialização das informações para terceiros, mas também à extração de valor dos dados de todas as formas possíveis.

Esse processo de gestão dos dados como um ativo ainda é uma área incipiente nas empresas, e poucos gestores têm experiência com esse assunto. Desenvolver essa expertise e chegar ao ponto de equilíbrio entre os dois conceitos é fundamental para o sucesso da sua empresa.

BigDataCorp