Nos últimos meses falamos por aqui sobre como Big Data tem revolucionado as corridas eleitorais mundo afora, super segmentando discursos e eleitores para que a mensagem correta chegue até um público disposto a ouvi-la. Neste último post da série “Big Data nas Eleições” vamos trabalhar com o melhor dos cenários: depois de uma disputa acirrada nas urnas e com o apoio das ferramentas e tecnologias Big Data, o seu candidato venceu!

Que o Big Data mudou a forma como os candidatos se comunicam com os eleitores, nós já sabemos. E agora, como essa tecnologia pode ser útil na administração pública do mais novo representante eleito pelo povo? Se você ainda não está ciente de todo o potencial das ferramentas de Big Data nesse contexto, fica de olho no post de hoje que nós contamos tudo!

Combatendo a sonegação de impostos

A mineração de dados, do inglês data mining, tem se mostrado uma tecnologia preciosa no combate à sonegação ao conferir e processar dados oriundos de empresas, transações financeiras e registros fiscais. A Receita Federal brasileira, por exemplo, já utiliza ferramentas capazes de cruzar esses dados com outros ainda mais específicos, como informações de companhias aéreas, para tentar prever quem possa estar superando o valor limite de compras em viagens internacionais, estipulado em 500 dólares.

Inspirada no modelo nacional, a RF do Rio Grande Sul também confronta e analisa dados referentes aos habitantes do estado, desde aqueles ligados às concessionárias de luz e telefonia, por exemplo, passando por impostos como IPVA e IPTU, até a frequência com que alguns veículos passam nos pedágios das rodovias estaduais. Esse modelo pode ser replicado pelo seu candidato em outras secretarias, uma vez que os resultados têm mostrado bastante a eficiência dessas ferramentas não só no combate à sonegação como também no aumento da arrecadação e na redução de fraudes.

Aumentando a eficiência nos processos

Os órgãos públicos brasileiros são conhecidos por uma característica nada positiva: a burocracia. Nós sabemos que procedimentos existem para manter a organização e o controle do que acontece, todavia a burocracia pode ser extenuante e comprometer a eficiência de processos simples, como emissão de certidões, notificações judiciais, mandatos, entre outros. O uso de softwares de inteligência artificial e machine learning na automação de processos poderiam ajudar (e muito!) a agilizar tais procedimentos, reduzindo a morosidade e o risco de falhas humanas, e ainda tornando-os menos custosos ao governo e mais eficientes para a população.

Informação em tempo real

A possibilidade de obter e processar informação em tempo real é um dos maiores trunfos proporcionados pelo Big Data, já que com base nas informações extraídas desse imenso volume de dados é possível tomar decisões mais embasadas e assertivas. A integração entre dados internos (estruturados e não estruturados) e externos (disponíveis em mídias e redes sociais) amplia a capacidade preditiva e permite antecipar acontecimentos que possam ter impacto direto na rotina da população, possibilitando que ações preventivas sejam realizadas ou que, no caso de situações inevitáveis, como são os fenômenos naturais, a população seja avisada com o máximo de antecedência e atitudes sejam tomadas para amenizar tais impactos.

 

Gostou de saber como o Big Data pode ajudar o seu candidato recém-eleito na administração pública? Então agora é a hora de cobrar resultados! Se você ainda quiser saber mais sobre como as ferramentas e tecnologias de Big Data podem melhorar a vida da população, dá uma olhada também nesse post sobre cidades inteligentes!

 

BigDataCorp